A madeira engenheirada como alternativa diante da alta do aço

A indústria de transformação e a construção civil, dois grandes consumidores de aço, vêm
enfrentando dificuldades com os seguidos reajustes de preços desse insumo essencial,
particularmente desde o segundo semestre do ano passado, tendo impacto sobre seus custos.

A alta do aço está entre 30 e 37%, e não se prevê que venha a ser estancada tão cedo. Diante
dessa situação, as empresas do ramo da construção civil estão buscando alternativas mais em
conta para enfrentar este período, sem que haja prejuízos no que diz respeito à qualidade,
resistência e eficiência de materiais, e, ao que tudo indica, os acertos de algumas substituições
apontam materiais que vieram para ficar. É o caso da madeira engenheirada.

O que é a madeira engenheirada e qual sua aplicabilidade?

Um assunto cada vez mais falado, o termo madeira engenheirada refere-se àquela madeira
que é processada industrialmente para otimizar o seu desempenho para uso na construção
civil. São fabricadas a partir de pinus ou eucalipto que, após a extração, são submetidos a
tratamentos e processos que agregam qualidade e homogeneidade.
 
O tema vem se consolidando em função de suas características versáteis, alta precisão e
sustentabilidade. Possui capacidade de suportar grandes cargas, é de baixo peso e oferece
maior facilidade para gerar sistemas industrializados, além de oferecer uma estética
naturalmente nobre.

Destacam-se dois processos industriais da fabricação desse tipo de madeira, a MLC (madeira
laminada colada) e CLT (do termo em inglês Cross Laminated Timber). Além de ser uma
construção seca, o peso chega a ser 1/5 do concreto.

E uma das melhores coisas é que sua produção é sustentável: para produzir 1 metro cúbico da
madeira engenheirada, 1 tonelada de gás carbônico é capturada da atmosfera. Isso significa
que se trata de uma produção industrial que caminha lado a lado com as preocupações com o
meio ambiente, reduzindo as ações que geram o efeito estufa.

A combinação desses dois fatores – a alta do aço e a ótima adaptação do material – faz com
que a madeira seja escolhida para diversas construções, e um dos grandes exemplos de seu
emprego foi na Escola-fazenda de Canuanã-TO, da Fundação Bradesco, uma construção iNOVA
TS que recebeu o prêmio internacional de arquitetura em 2018.

Seu projeto arquitetônico utilizando madeira foi desenvolvido com a preocupação de manter o
ambiente fresco e aconchegante mesmo no verão do Norte do Brasil, com temperaturas em
torno de 40-42 graus.

Conheça mais sobre o projeto utilizando a madeira engenheirada:
https://inovats.com.br/fundacao-bradesco-canuana/

VOLTAR